Browse By

GESTÃO DE RISCOS

    GESTÃO DE RISCOS

    Resultado de imagem para riscos gif

    Apresentação

    O termo “Gestão de Riscos” ou “Risk Management” implica em busca, pelas diversas organizações, de equilíbrio entre riscos e custos. Apesar da perseguição há várias décadas pelas empresas da otimização desse equilíbrio, apenas, recentemente, o termo passou a ser empregado com mais freqüência.  
    O processo de tomada de decisões reflete a essência da dinâmica empresarial. Reconhecidamente, administrar é decidir, e a continuidade de qualquer negócio depende da qualidade das decisões tomadas por seus administradores nos vários níveis organizacionais. As decisões são tomadas a partir de dados e informações levantadas. No entanto, o processo decisorial envolve maiores particularidades que implicam em riscos e complexidade.
    Tradicionalmente, a gestão de riscos era associada aos riscos que envolviam ativos financeiros tais como, empréstimos, taxas de câmbio, créditos e etc. Hoje, diferentemente do tradicional, a mudança passou a focalizar em discussão e avaliação os riscos operacionais.    

    Objetivos 

    A Gestão de Riscos visa abranger a mensuração e administração dos riscos aos quais todos os seres humanos estão submetidos durante o desempenho de suas atividades.
    Outro ponto a ser realçado é possibilitar aos gestores em geral uma ampla visão e o franco entendimento da diversidade de riscos a que todos incorrem no desempenho diário de suas atividades.   

    Gerenciamento dos Riscos 

    De acordo, como é analisado, o risco pode ser necessário, o que quer dizer que sem o mesmo não haveria como determinar uma recompensa. Neste caso, não cabe eliminá-lo, mas apenas procurar entendê-lo para que sejam auferidos benefícios pelo seu lado positivo e que sejam tomadas medidas a bem da minimização do lado negativo.

    Pode ser entendido como gestão de riscos um processo cultural e estrutural que proporciona a percepção de oportunidades favoráveis durante o gerenciamento de situações que podem levar a obtenção de efeitos adversos. Podem ser também vistos os riscos de projeto como um conjunto de acontecimentos que podem ocorrer sob a forma de ameaças ou de oportunidades, que uma vez se concretizadas, influenciam de forma negativa ou positiva o objetivo do projeto. Na metodologia do Risk Management Guide for DOD Acquisition (2002), é encontrada a seguinte definição de risco: “… a atenção dirigida à ocorrência de eventos futuros, cujo exato resultado é desconhecido, e com a forma de lidar com essa incerteza, i. e., a amplitude de possíveis resultados. Inclui o planejamento, identificação e análise de áreas de risco e o desenvolvimento de opções para lidar e controlar o risco.” Definições diferentes, igualmente abrangentes, que apresentam semelhanças entre si, podem ser encontradas em manuais publicados pela US Project Management Institute (PMI) e pela UK Association for Project Management (APM):

    – Risco*: evento ou condição incerta que, se ocorrer, terá um efeito positivo ou negativo sobre pelo menos um objetivo do projeto, como tempo, custo, âmbito ou qualidade (PMI, PMBOK Guide 2004, pág. 238);
    – Risco**: determinado evento ou conjunto de circunstâncias que, ao ocorrerem, terão efeito sobre a concretização dos objetivos do projeto (APM, 1997, pág. 16).

    Há outras definições de risco que também podem ser consideradas, como a encontrada no RAMP Guide, 2nd Edition, que o caracteriza como sendo, em sentido lato, o impacto potencial de todas as ameaças e oportunidades que possam afetar a concretização dos objetivos de um investimento e, a da FERMA (Federation of European Risk Management Associations) que adota a definição de risco constante na ISO/IEC Guide 73 que diz que risco é a combinação da probabilidade de um acontecimento e das suas consequências.  

    A tomada da consciência de existência de fatores internos ou externos ao projeto, que podem ser ativados durante a sua execução, alterando, portanto, o objetivo do mesmo, cria a necessidade de gerenciar os riscos. A identificação desses fatores e/ou as suas causas assume cabal importância em qualquer metodologia de gerenciamento dos riscos. Durante a toda a execução do projeto, o tipo de riscos, a possibilidade de ocorrências e os seus impactos demandam a tomada de procedimentos para a identificação dos mesmos em todas as fases da execução.

    De um modo geral, as definições de risco trazem imbricadas dois conceitos – oportunidade e ameaça – cuja comprovação pode ser verificada nas diversas metodologias de gestão de risco, como exemplo: FERMA. As oportunidades não devem ser desprezadas por estarem associadas às ameaças, assim como, as ameaças podem estar ligadas às oportunidades. Em Project Risk Management, Processes, techniques and insights, 2nd. Edition (Chris Chapman and Stephen Ward), é assinalado que: “Oportunidades e ameaças podem, por vezes, ser consideradas separadamente , mas raramente são independentes, tal como duas faces da mesma moeda só podem ser analisadas uma de cada vez, mas não são independentes quando lançamos a moeda.”. Assim, da mesma forma que a palavra crise em chinês tem como significado o perigo e a oportunidade, o risco oferece o perigo sob a forma de ameaça e no contraponto tem a oportunidade. A tendência geral é considerar todos e quaisquer riscos como fatores negativos que podem levar às más consequências a execução dos empreendimentos. Porém, do outro lado, não pode ser esquecido que o projeto posto em prática mostra um horizonte de potenciais oportunidades.

    A possibilidade da aplicação de novas idéias, acompanhadas das respectivas ferramentas, propiciou o crescimento do interesse sobre a “Gestão de Riscos”. Penso que a gestão de risco deva fazer parte de todas as atividades exercidas pelo ser humano, inclusive das exercidas pelos médicos durante a sua prática profissional em quaisquer ambientes, desde o consultório médico particular ou ambulatorial do Posto Médico até a sala de cirurgia da Casa de Saúde ou do hospital.

    Imagem relacionadaDeve ser ressaltado certo grau de incerteza quanto ao resultado durante a execução de qualquer procedimento. Para ilustrar que existe durante o desempenho de qualquer atividade um percentual de dúvida quanto ao resultado ser bem-sucedido, que pode ser minimizado, mencionamos, pedindo emprestado à Física, o “Princípio da Incerteza” de Werner Heisenberg que é uma das mais importantes leis quânticas. Esta falta de certeza total é inerente a qualquer tomada de decisão. O gerenciamento dos riscos proporciona os benefícios quanto às melhores tomadas de decisões, melhoria no planejamento, no desempenho, diminuição de resultados inesperados e melhor relacionamento entre as partes envolvidas.           DEZ 19, 2010

    Sistema Raiz da Vida Além da Inteligência NutricionalElizabethe Milwaard – Profª de Consciência Nutricional e Mentóloga; Idealizadora do Sistema Raiz da VidaDr. Edvaldo Tavares – Médico – CRMDF 7265 e CRMSE 4897; Jornalista, DRT 2175; Diretor Executivo e Diretor Técnico do Sistema Raiz da Vida

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    três × dois =